Autor(es):Gilsamara Moura e Luciane Sarmento Pugliese
Ano:2018
Comitê:Comitê Dança em Configurações Estéticas
Título:Lucídia
Resumo: 
 A experiência, imprevisibilidade, experiência de uma ação compositiva em tempo real, potência de afetos e criação compartilhada foram disparadores para o processo de criação de Lucídia. Navegar por uma cartografia constituída de ausências de rotas, caminhos pré-definidos e previsibilidade, numa tentativa de entender contra métodos e misturar ou reciclar resíduos de treinamento. Neste caminhodança (tecido e construído por fáscias de Dona Lucídia, Gilsamara e Lulu, casa e café), deu-se uma partilha com o desejo da não expectativa, das pequenas percepções, frestas, rastros de memórias de uma vida que se mostra num vento comprido com aparência de contínuo e sem fim. Lucídia foi, é, será, neste presente nutrido de passado e futuro, um campo aberto de possibilidades investigativas de pausas, de escuta, de experiência no ato do fazer, da criação em tempo de um presente dilatado. No viés de reflexão, problematizando ou não questões acerca dos modos operantes em dança no que tange criação, improvisação, acaso, noções de hábito, criação compartilhada, autonomia e metáforas na carne. Desprovido de algum propósito revelador e seguindo o fluxo de que a experiência não é uma realidade, uma coisa, um fato, não é fácil definir nem identificar, não pode ser produzida, é algo que nos afeta, que nos atravessa, que (nos) acontece. E assim chegou Lucídia em nossos cotidianos, desestabilizando ordens, descategorizando camadas hierárquicas em muitas instâncias, descolonizando nossos corpos automatizados, ressoando em desdobramentos e e estilhaços de pensamentos acerca da dança, espetacularização, produção e outros tremores de subjetividades.
 

The experience, unpredictability, experience of a real-time compositional action, power of affection and shared creation were triggers for the process of creating Lucídia. Navigate through a map consisting of route absences, pre-defined paths and predictability in an attempt to understand against methods and mix or recycle training waste. In this trekking (fabric and built by fascias of Dona Lucídia, Gilsamara and Lulu, home and coffee), there was a sharing with the desire of non-expectation, small perceptions, cracks, traces of memories of a life that shows itself in a wind long and continuous look. Lucídia was, is, will be, in this present nourished of past and future, an open field of investigative possibilities of pauses, of listening, of experience in the act of doing, of the creation in time of a dilated present. In the bias of reflection, problematizing or not questions about the operant modes in dance with regard to creation, improvisation, chance, notions of habit, shared creation, autonomy and metaphors in the flesh. Devoid of any revealing purpose and following the flow that experience is not a reality, a thing, a fact, is not easy to define or identify, it can not be produced, it is something that affects us, that crosses us, happens. And thus came Lucídia in our daily lives, destabilizing orders, uncategorizing hierarchical layers in many instances, decolonizing our automated bodies, resounding in unfoldings and shattering of thoughts about dance, spectacularization, production and other tremors of subjectivities.
Fazer download