No Brasil, a natureza da relação dança-universidade tem sua especificidade: pesquisadores de dança encontram-se dispersos nos mais variados Departamentos e Programas universitários brasileiros. Impulsionados pela necessidade de conferir visibilidade não somente a essa situação, mas, sobretudo, a iniciar um processo de sua transformação, representantes de algumas dessas universidades se reuniram em São Paulo, no Instituto de Artes da Universidade Estadual Paulista (UNESP), em 2008.

O grupo inicial foi formado pelas seguintes Universidades: Universidade de São Paulo, representada pela Profa. Dra. Maria Helena Franco de Araujo Bastos; Universidade Federal da Bahia, representada pelas Profas. Dras. Dulce Aquino, Jussara Sobreira Setenta, Adriana Bittencourt Machado e Fabiana Dultra Britto; Universidade Estadual Paulista, representada pela Profa. Dra. Kathya Maria Ayres de Godoy e pelas Profas Mestres Fernanda Sgarbi e Rosana Aparecida Pimenta, e pelo mestrando Ítalo Rodrigues Faria; e a Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, representada pela Profa. Dra. Helena Katz.

Naquela oportunidade, o grupo opta pela realização do Iº Encontro Cientifico Nacional de Pesquisadores em Dança, concebido como uma chamada coletiva para a realização do primeiro censo demográfico-epistemológico da situação dos pesquisadores na área da Dança, no Brasil. Para estruturar o Iº Encontro, o grupo opta, também, pela formulação de eixos temáticos agregadores, em torno dos quais os pesquisadores se reuniriam. Os eixos escolhidos foram os seguintes: Dança em Mediações Educacionais, Aspectos sócio-políticos da(s) Dança(s), Dança em Configurações Estéticas, Dança e Estados Funcionais do Corpo – em torno dos quais os pesquisadores se reuniriam.

Para coordená-los, foram convidados pesquisadores com atuação em cada um daqueles temas, a saber: Kathya Godoy (UNESP) e Adriana Bittencourt (UFBA) para o eixo Dança em Mediações Educacionais, Jussara Setenta (UFBA) e Fernando Passos (UFBA) para o eixo Aspectos Sócio-políticos da(s) dança(s), Dulce Aquino (UFBA) e Helena Katz (PUC/SP) para o eixo Dança em Configurações Estéticas, Helena Bastos (USP) e Eusébio Lobo (UNICAMP) para o eixo Dança e Estados Funcionais do Corpo.

A proposição dos quatro eixos (transformada em comitês temáticos no Iº Encontro em 2008), ao contrário dos habituais Grupos de Trabalho (GTs) que estruturam associações de pesquisa acadêmica, objetivava agregar o maior número de pesquisadores em torno dos campos de atuação que, na ocasião, foram identificados como os mais populosos entre os pesquisadores da área: educação, criação artística, atuação política e estudos sobre o funcionamento do corpo.

O I Encontro Cientifico Nacional de Pesquisadores em Dança da ANDA ocorreu nos dias 03 e 04 de Julho de 2008, na Universidade Federal da Bahia, em Salvador, reunindo 169 pesquisadores oriundos das cinco regiões brasileiras e institui-se com uma Diretoria Provisória cuja tarefa foi a de realizar o I Congresso Nacional. Em reunião geral e deliberativa, os associados criam coletivamente os seis Comitês Temáticos da ANDA: 1) Dança em Mediações Educacionais; 2) Dança e(m) Política; 3) Dança em Configurações Estéticas; 4) Interfaces da Dança e Estados do Corpo; 5) Memória e Devires em Linguagem de Dança; 6) Produção de Discurso Crítico sobre Dança.

O I Congresso Nacional de Pesquisadores em Dança da ANDA se realizou também na Universidade Federal da Bahia, em Salvador, de 1 a 4 de dezembro de 2010. Tratou-se do momento da formalização da Associação Nacional dos Pesquisadores em Dança – ANDA, por meio da eleição democrática de sua diretoria.

O II Encontro Cientifico Nacional de Pesquisadores em Dança da ANDA ocorreu nos dias 21 e 22 de maio de 2011, na Escola Superior de Educação Física da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), contemplou dois dias de atividades voltadas às comunicações, debates, palestras e a Assembleia Geral da Associação Nacional de Pesquisadores em Dança (ANDA). Nessa edição, foi proposto como eixo temático “Contrações Epistêmicas” um tipo de operação que se processa no âmbito epistemológico ao contrair campos de conhecimento aparentemente distantes entre si.

O II Congresso Nacional de Pesquisadores em Dança da ANDA, por sua vez, realizou-se nos dias 04, 05 e 06 de julho de 2012, no Instituto de Artes da Universidade Estadual Paulista – Campus São Paulo, com organização dos Programas de Pós-Graduação da UNESP e Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas da Universidade de São Paulo-USP, em completos três dias de atividades voltadas às comunicações, painéis, debates, palestras e a Assembleia Geral da ANDA. A realização desse congresso representou o fortalecimento da ANDA enquanto uma entidade aglutinadora de pesquisadores comprometidos com a pesquisa em dança no Brasil. Nesta edição, o eixo temático se deu em torno do tema “Teorias do corpodança: ensino, pesquisa e cena” para lançar luz à importância das teorias na produção do conhecimento. As palestras contaram com eminentes professoras da área Professor Diana Taylor da Universidade de Nova Iorque-EUA e professora doutora Christine Greiner da Pontifícia Universidade de São Paulo-BR.

O III Encontro Cientifico Nacional de Pesquisadores em Dança da ANDA realizou-se em 27, 28, 29 e 30 de maio de 2013, na Escola de Dança da Universidade Federal da Bahia. O evento pela primeira vez contou com apoio institucional da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Ensino Superior- CAPES e da Secretaria da Cultura do Estado da Bahia, por meio da Fundação Cultural do Estado da Bahia Nesta edição, o eixo temático foi "Pesquisa em Dança na Universidade". Em completos quatro dias de atividades voltadas a comunicações, painéis, palestra, seminário, espetáculo e minicursos. A palestra foi proferida e o seminário orientado pelo Professor Mark Franko da Universidade da Califórnia-EUA.

O III Congresso Nacional de Pesquisadores em Dança da ANDA realizou-se de 02 a 05 de setembro de 2014 na Escola de Dança da Universidade Federal da Bahia, e teve a participação de Susan Leigh Foster e Vida Midgelow como conferencistas, pesquisadoras significativas na área da dança dos Estados Unidos e Inglaterra respectivamente. Teve como apoio o edital de Organização de Eventos Científicos e ou Tecnológicos da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia e do Programa de Apoio a Eventos no Pais/PAEP da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. O Tema do evento foi: "O corpo que dança – a criação de espaços na atuação acadêmica e artística."

O IV Encontro Cientifico Nacional de Pesquisadores em Dança da ANDA, foi realizado entre os dias 18 e 20 de junho de 2015 na Universidade Federal de Santa Maria-RS. Obteve como apoio, o edital Programa de Apoio a Eventos no Pais/PAEP da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior e da instituição acolhedora. O tema eleito para o Biênio 2015-2016 foi a "Formação em Dança", tendo em vista, o crescimento vertiginoso de cursos de licenciatura em dança nos últimos 10 anos no país. Deste modo, o evento contou com conferências de Ramsay Burt, professor de História da dança na University de Leicester, De Montfort, Inglaterra e do Prof. Dr. João Francisco Duarte Júnior, do Instituto de Artes da Universidade Estadual de Campinas.

O IV Congresso Nacional de Pesquisadores em Dança da Anda, foi realizado entre os dias 16 e 18 de junho de 2016 na Universidade Federal de Goias-GO. O evento obteve apoio do Programa de Apoio a Eventos no Pais/PAEP da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior e da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Goias (FAPEG). Dando continuidade ao tema do Biênio 2015-2016, o evento tratou da "Formação em Dança: estratégias de emancipação". O evento contou com mesas redondas, exibição de documentário, minicurso e com conferencias de Sandra Soares Della Fonte da Universidade Federal do Espirito Santo e do sociólogo da arte Pascal Gielen, da University of Antuérpia da Bélgica.

O V Encontro Científico Nacional de Pesquisadores em Dança, realizado no ano de 2017, teve como sede o Departamento de Artes da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). O tema do Encontro circunscreveu discussões a partir do entendimento “Do homo politicus ao homo oeconomicus: a dança no Brasil de hoje”. Uma indagação se impôs para alguns membros da associação: por que tratar de áreas do conhecimento que parecem se anunciar tão distintas, humanas e exatas, nos dias de hoje? Despertando interesse de parte considerável dos participantes, o que poderia soar como uma questão audaciosa e generalista – a de falar de dança no “Brasil de hoje” – manifestou-se como uma oportunidade de trazer à tona os vários Brasil’s, com peculiaridades regionais e locais nos modos de configuração das relações entre dança, política e economia. Nesta edição, a ANDA experimentou um formato diferente dos eventos anteriores ao introduzir um(a) pesquisador(a) convidado em cada um dos Comitês Temáticos (além do(a) coordenador(a)), como forma de potencializar e problematizar as pesquisas inscritas no evento. Foram eles: Profas. Dras. Adriana Gehres (UFPE), Christine Greiner (PUCSP), Ivana Barreto (UFRJ), Sandra Meyer (UDESC) e Thereza Rocha (UFC). Organizou-se, para os relatos dessas experiências, um encontro no último dia do evento, intitulado Mesa Redonda: “Panorama das Pesquisas em Dança”, cuja mediação foi da Profa. Dra. Teodora de Araujo Alves (UFRN). Também ocorreu o Fórum PIBID Dança: “A Dança na Escola: experiências e perspectivas no contexto PIBID Dança”, que contou com a?coordenação da Profa. Dra. Karenine de Oliveira Porpino (UFRN). Como palestrante, a ANDA convidou o Prof. Dr. Vladimir Safatle (USP), que ministrou a conferência: “Maquinismo e expressão em Anne Teresa de Keersmaeker”.

V Encontro Científico Nacional de Pesquisadores em Dança:

Ementa – Na cena que está posta e atuante, o homo oeconomicus tenta se sobrepor ao homo politicus (Brown, 2015). Tal situação busca assegurar que o mundo se reduza a um conjunto de regulações que passam a operar como uma racionalidade normativa do viver (Dardot e Laval, 2015). Na dança, esse ambiente vem sendo consolidado por um roteiro implantado no país há 30 anos pelas Leis de Incentivo à Cultura. O fazer artístico da dança passou a ser coreografado por uma crescente economização das formas de vida. É tempo de nos darmos conta desse tipo de regulação jurídico-cultural e das dificuldades que ameaçam a continuidade e a autonomia, que administram desejos e crises, sobretudo na educação e na criação em dança. Impõe-se a urgência de produção de um pensamento crítico sobre tais fazeres.

O V Congresso Nacional de Pesquisadores em Dança foi realizado na cidade de Manaus (AM), em 2018, sendo acolhido pela Universidade Estadual do Amazonas (UEA). Como eixo temático, foi levada a cabo a proposta de discussão do V Encontro Científico, “A dança e a crescente 'economização' das formas de vida”, pela ideia de que não somente o Encontro é uma preparação para o Congresso, como também de que é impossível apartar, nos dias atuais, as áreas da arte e da economia, não importando em qual ponto geográfico se está. Comemorando os 10 anos de existência da ANDA, a diretoria promoveu o lançamento do e-book “ANDA: 10 anos de pesquisas em Dança”, aglutinando artigos de pesquisadores que palestraram ao longo de seu percurso. O livro traz, ainda, um ementário histórico da associação. Outro ponto relevante é que foi aprovado o novo Regimento da Associação, sendo que o Estatuto vigente havia sido aceito no Encontro de 2017. O Congresso teve uma média de mais de 200 associados inscritos de distintas regiões do país, e ministraram palestras os convidados: Profa. Dra. Christine Greiner (PUCSP), com “Microativismos e o desapego às políticas identitárias”,?e Prof. Dr. Christian Dunker (USP), com “Lógica do Condomínio e Perda de Intimidade na Gestão Neoliberal do Sofrimento”.

V Congresso Nacional de Pesquisadores em Dança:

Ementa – O roteiro implantado no país há mais de 30 anos pelas Leis de Incentivo à Cultura coreografou (Hewitt, 2005) uma crescente “economização” das formas de vida: o homo oeconomicus se sobrepõe ao homo politicus (Brown, 2015). É tempo de nos darmos conta das dificuldades que esse tipo de regulação jurídico-cultural vem trazendo para a continuidade e autonomia da educação e da criação em dança. A cena que está posta insiste em reduzir a vida a um conjunto de regulações econômicas, tornando-as uma espécie de racionalidade normativa do viver (Dardot e Laval, 2015). Como a dança não escapa a esse ambiente, urge a necessidade de produzir um pensamento crítico sobre a sua relação com a sociedade em que atua.